11 de fevereiro de 2011

CARTA ABERTA DO FILHO DO VEREADOR JUSCELINO OLIVEIRA

Armação política feita por adversários do vereador Juscelino Oliveira de Açailandia, cai por terra, após carta aberta feita pelo filho do edil, ao blogueiro da mirante, que inocentemente caiu na arapuca política. Arapuca essa, patrocinada por fontes sem credibilidade. Apenas com o intuito de jogar na lama o nome do vereador, mas atuante da cidade de Acailandia.

Mas e como diz o ditado, mentiras tem perna curta.
veja a carta abaixo:
CARTA ABERTA DO FILHO DO VEREADOR JUSCELINO OLIVEIRA
Caro Marco Aurélio D’Eça
Como leitor assíduo de suas notícias, gostaria de esclarecer alguns fatos acerca da matéria que acabo de ler no seu respeitado Blog: – Vereador de Açailândia tem prisão decretada por não pagamento de pensão – Assunto este, no qual, sou parte diretamente interessada e o principal protagonista deste lamentável equívoco, até por que, sou a pessoa que seria o beneficiário desta suposta “pensão alimentícia”.
Meu nome é SAULO DE TARSO PIRES E SILVA, tenho 27 anos, Bacharel em Direito, sou filho do vereador Juscelino Oliveira e Silva, do qual tenho muito orgulho do seu caráter, do seu perfil político e da sua história aos longos anos da sua vida pública.
Portanto, como parte afetada pelo o seu noticioso, gostaria que o nobre jornalista me concedesse a oportunidade de esclarecer aos seus leitores, o lamentável equívoco que aconteceu na execução da referida ação. Até por que, reciprocamente, eu e meu pai, temos uma ótima relação de amor, carinho e respeito e evidentemente que jamais desejaria vê-lo preso.
Acontece que logo após, a grande e positiva repercussão da votação que meu pai obteve nas últimas eleições (Mais de 15 mil votos), onde inclusive fui coordenador da campanha do mesmo aqui em são Luís, estranhamente, o então advogado da ação, resolveu inesperadamente dar prosseguimento ao feito, sem combinar comigo e sem o meu consentimento. Uma vez que eu já sou maior de idade.
Ao tomar conhecimento no último dia 07 do prosseguimento da ação, homologuei pessoalmente no fórum de origem, petição declarando a desistência e determinando a baixa e arquivamento do presente feito, com fulcro no art. 267, VIII do CPC. Portanto, não havia e nem há motivo do meu pai ser um foragido, além do que, o mesmo não chegou nem a ser intimado.
Por outro lado, vale à pena esclarecer, que naquela cidade alguns políticos adorariam vê isto acontecer. Porém, com certeza, esses mesmos políticos têm mais motivos pra se esconder da justiça do que meu pai, mesmo ele sendo o único vereador de oposição naquele município e o único aliado da Governadora na Câmara Municipal.
Antecipadamente agradeço pela imparcialidade e pelo o espaço concedido.

Saulo de Tarso Pires e Silva
Resp.; esclarecida a história, meu caro. Mas o fato do pedido de prisão existiu, como mostram os autos do processo. De qualquer forma, o blog está aberto a outros esclarecimentos. Grato pela participação.
--- ---