24 de fevereiro de 2011

Guantánamo, prisão dos pensamentos.

 Guantánamo,  a prisão de pensamentos - o inferno na terra onde  homens inocentes são levados  à morte. Alibedade é só pensar por si mesmo, sem o direito de falar ou expressar pensamentos.
 
Abu Ghraib, tortura e abuso de prisioneiros.

Violência! Sacrifícios! Severed Vidas! True prisão da alma, muito além do pensamento, conhecimento e compreensão do ser humano e espiritual, muito pior que o inferno de Dante. Abu Ghraib, onde a liberdade é anunciado através da morte.








Todo mundo sabe que essas fotos, mas apenas poucas pessoas sabem o que realmente aconteceu em Abu Ghraib.
Uma fotografia pode mudar o mundo? Em 2004, doze fotos de Abu Ghraib, em Bagdá mudou a guerra no Iraque e teve conseqüências consideráveis na maneira como os EUA são vistos como uma nação. As fotografias mostram prisioneiros iraquianos sendo torturados e humilhados por soldados dos EUA. As fotos foram tiradas por membros dos sítios militares que foram usados como prisões. Uma importante pergunta permanece sem resposta: será que estas imagens significam provas de tortura sistemática nas mãos do exército americano? Ou será que o comportamento anormal era restrita a um punhado de soldados? Em seu recurso documental Errol Morris explora o significado dessas imagens através da análise das fotografias no contexto. Por que eles foram retratadas? Por quê? O que estava acontecendo fora da moldura de cada imagem? Morris falou tanto com os soldados que tiraram as fotografias, como aqueles que aparecem nelas. Quem são essas pessoas? O que passou pela sua cabeça agora? Errol Morris passou dois anos estudando as entrevistas e arquivos. 
   A prisão tinha sido abandonado pouco antes da invasão do Iraque em 2003, quando Saddam anunciou anistia geral aos prisioneiros praticamente toda a nação. Um projeto de expansão começou no início de 2002 que iria adicionar seis novos blocos para a prisão. Em outubro de 2002, Saddam Hussein deu anistia a maioria dos prisioneiros no Iraque. Depois os prisioneiros foram libertados, a prisão foi deixado vazio a ser vandalizadas e saqueadas. Quase todos os documentos relativos aos presos foram amontoados e queimados dentro de escritórios e celas de prisão, levando a danos estruturais graves.
A prisão de Abu Ghraib é um complexo penitenciário com área de 1,15 km situado em Abu Ghraib, cidade iraquiana, 32 km a oeste de Bagdá. Foi construída pelos britânicos no Iraque, quando ainda era uma colônia da Grã-Bretanha.
Era um lugar de tortura em diferentes graus e em tempos diferentes: no momento da ocupação britânica sob Saddam Hussein e, mais recentemente, sob a ocupação da coalizão dos
Estados Unidos dos-Reino Unido, quando ele se tornou internacionalmente conhecida como um lugar de tortura prisioneiros iraquianos.
Porém, já no governo Ba'ath de Saddam foi mencionada algumas vezes pela imprensa ocidental como Saddam's Torture Central (tortura de Saddam). A prisão foi nomeado para a Central de Bagdá Confinamento Facility (BCCF) (Centro de Reclusão lojas de Bagdá) ou Baghdad Central Correctional Facility (Instalações para Centro de Recuperação de Bagdá), depois de as forças dos EUA derrubaram o governo iraquiano.
Em maio de 2004, um acampamento foi criado em Abu Ghraib, a fim de proporcionar segurança para os presos e renomeado Camp Redemption (Acampamento da Libertação), a pedido de um membro do conselho do governo.
O complexo prisional foi construído por empreiteiros britânicos em 1960, ocupando 280 acres (1,15 km), sendo dotada de 24 torres. Com o tamanho de uma pequena cidade, o local foi dividido em cinco áreas separadas por muros, para diferentes tipos de prisioneiros. Cada bloco continha uma sala de jantar, sala de oração, área de exercício e de higiene rudimentar. As células abrigou mais de 40 pessoas em uma área de 16 m.
Com a queda do governo em 2003, as cinco áreas foram destinadas a reclusos estrangeiros, ambos condenados a longas penas de curta distância, por crimes capitais e crimes "especiais".
--- ---