PERDI MINHA REFERENCIA, PERDI MEU PAI!

Muitas vezes somos obrigados a viver longe de pessoas que jamais poderíamos permitir tal separação. Mas o destino nos transporta para lugares que não sabemos o porquê de estarmos ali, longe daquilo que Deus colocou como mais importante na vida do ser humano: nossos pais.

   Ah! Se pudéssemos saber o momento exato da nossa partida. Seria bom. Com certeza poderíamos optar em permanecer ou não perto de quem gostamos, aproveitar cada hora, minutos e até segundos desse convívio. Mas assim não teria graça em viver e saber o dia e hora da nossa partida.

   Onde ficariam os nossos sonhos? Sonhos que impulsionam o desejo de viver e de permanecermos lutando a cada dia pelos nossos ideais. Assim sofreríamos a cada dia muito mais que já sofremos na angústia dos nossos sonhos não realizados, na incerteza de quando poderemos degustar tais prazeres, e se algum dia realmente poderemos concretizar tais sonhos.

  Creio que não seria interessante sabermos precisar nosso fim. Melhor procurar aproveitar cada momento, oportunidade que a vida oferece em estarmos juntos a eles. A morte é uma separação momentânea, pra quem crer no grande dia do Juízo Final.

   As certezas que temos de nossas salvações, de certa forma amenizam esse sofrimento, mas por outro lado, nos causam certo grau de ansiedade, porque não sabemos e nem podemos precisar esse encontro. Às vezes perdemos nossas referencias, mas não podemos perder nossos sonhos.

Sentimos o trauma da separação e várias dúvidas surgem na nossa             mente. Ah! Se o tempo pudesse retroceder, ainda que alguns dias, horas, talvez minutos, teriam com certeza aproveitada mais da    experiência, da sabedoria natural que são adquiridos com os anos     vividos. Com certeza teria mais...

   Se quisesse definir com uma única palavra aquilo que ele representou em minha vida, com certeza seria impossível: Simplicidade, humildade, dedicação, honestidade, justiça, proteção, responsabilidade... Talvez o conjunto de todas essas virtudes e muito mais.

  O mais importante hoje, é que aquilo que sou que tenho que almejo, que represento no meio ao qual vivo e convivo, são frutos dele.

  Obrigado meu Deus! Pois hoje tenho a convicção que o Senhor o levou na hora que deveria levá-lo, porém antes teve a preocupação de deixá-lo cumprir com sua missão aqui na terra, o que nos dá a certeza de sua salvação. Obrigado Pai! Um dia nos encontraremos, até mesmo porque procuro pôr em prática seus ensinamentos e seguir os seus passos, que com certeza me levarão ao encontro com o Pai e contigo.

   Não digo adeus, digo: Até breve! Saudades eternas.

Maria das Graças Golveia
Licenciatura Plena em Pedagogia  Com 
Especialização em Administração e Supervisão Escolar
Imperatriz - MA
Tecnologia do Blogger.