Mogno desaparece devido à exploração ilegal e irracional

O Diretor Regional de Auditoria e Controle Social e Autoridade Florestal (Abt), em La Paz, Silvia Mejia, adverte que a espécie começou a desaparecer na área florestal. "Há um declínio desta espécie e está em risco de desaparecer”.

É uma floresta com características valiosas e ideal para trabalhos em madeira, por isso é altamente valorizada no exterior. Está entre as cinco espécies mais popular da floresta amazônica.  

De acordo com a Abt, a quadrilha começou a ser explorada comercialmente desde meados da década de 50 do século passado e os móveis feitos a partir dele começaram a ser exportados a partir da década de 70, especialmente nos Estados Unidos. Atualmente, sua comercialização é restrita devido à densidade de árvores individuais em áreas protegidas é mínima e quase inexistente nas áreas de florestas para exploração. 

O executivo da Federação dos Trabalhadores Artesanato e Madeira (Fatma) de El Alto, Germain Cota disse que os membros dessa entidade deixaram de produzir móveis de mogno com os anos porque não praticamente desapareceram do mercado. 

"Esta situação (espécie cada vez mais escassos) nos obriga a sair em protesto", diz Cota. Duas semanas atrás, a indústria saiu em marcha de protesto exigindo a madeira para móveis e exigindo do governo níveis mais elevados de controle para conter o contrabando. 

Cota disse que devido à falta de madeira, as oficinas de 3.000 empresários da indústria em El Alto estão em risco de fechar. Study. Hoje, não existem dados específicos sobre a população de árvores de mogno. Pablo Antelo, presidente da Câmara Florestal Bolívia, que reúne empresas que operam legalmente, prevê que esta espécie que está sendo um dos mais negociadas no mercado corre o risco de ser praticamente extinta. O diretor regional da Abt advertiu que o contrabando de madeira continua no norte de La Paz. 

Em fevereiro deste ano, o Director Nacional da Abt, Cliver Rocha informou que 43 mil metros cúbicos ilegais foram confiscados, o que equivale a 1.600 caminhões carregados do produto e queria deixar a Bolívia com destino a Peru e Brasil. "A soberania é violada, há cidadãos que tomam madeira estrangeira (caminhão) com placas do Brasil e outros países”.

Fonte: La Razon
Tecnologia do Blogger.