Açailândia: Campanha não vote em politico "copa do mundo" não vote em politico forasteiro



Açailândia é um dos mais importantes municípios do estado do Maranhão, com sua localização privilegiada, teria a obrigação moral de ser também um exemplo de gestão pública e qualidade de vida da população, mas a corrupção generalizada faz com que o município mesmo sendo um dos que mas gere riqueza, permaneça com os mas baixos índices de desenvolvimento.

A toda nova eleição, cria-se novas esperanças, os eleitores fazem o seu papel, votam, e depois que são eleitos a grande maioria dos políticos esquecem os compromissos assumidos em campanha, e de olho no dinheiro fácil, passam a defender apenas seus interesses individuais, e o povo?  Há o podo que se dane e se vire.

E de quem é a culpa? Na maioria das vezes é do próprio povo!  Por eleger pessoas despreparadas ou mesmo políticos de outras regiões! Outras aproveita do momento e vende sua dignidade, vende seu voto, vendem a esperança, e juntos amargamos, mas quatro anos de taca.

Outra classe que tem culpa no cartório, é a própria imprensa, onde em época de eleição a grande maioria dos formadores de opinião, em busca de alguns “trocados” induz as pessoas ao erro, apresentando a população políticos forasteiros como verdadeiros salvadores da pátria, como o que estar acontecendo nesse momento em Açailândia.

Enquanto não se mudar essa mentalidade, enquanto as pessoas continuar esquecendo seus princípios, enquanto não aprendemos a nos valorizar, enquanto deixamos de eleger políticos de nossa região e votar em políticos “copa do mundo”, como por exemplo, políticos da capital São Luís, ou de outros municípios distante, iremos continuar na “merda”.

Temos que ter uma posição firme, e procurar errar menos nessas eleições, peço encarecidamente a quem ler esse texto, que não venda seu voto, não vote em politico forasteiro, não caia nas lábias desses espertalhões. Se te oferecerem alguma vantagem até aceite, mas não vote, lembre que seu voto é livre e democrático.

Tecnologia do Blogger.