Juiz da Lava Jato recusa medalha da Câmara

Agraciado com uma “medalha do mérito legislativo”, oferecida pela Câmara, o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, recusou a honraria, que seria entregue em sessão solene marcada para quarta-feira (18) da semana que vem. Fez isso por meio de ofício. Em linguagem polida, Moro informou no texto que tem mais o que fazer:
“Devido à agenda atribulada e aos compromissos prementes relacionados à condução dos processos atinentes à assim denominada Operação Lava Jato, inclusive com acusados presos, informo que não tenho condições de comparecer à Câmara para receber a medalha na data sugerida.”
Sem mencionar os nomes dos 23 deputados enroscados no escândalo da Petrobras, entre eles Eduardo Cunha, que presidirá a solenidade e entregará as medalhas, Moro escreveu no ofício que prefere se abster de constrangimentos:
“…No presente momento, havendo parlamentares federais denunciados em decorrência da Operação Lava Jato, também não me sentiria confortável em receber o aludido prêmio, o que poderia ser mal interpretado ou gerar constrangimentos desnecessários.”
De resto, Moro informa no ofício que, considerando-se a importância da medalha, prefere não enviar representante. E deixa no ar a hipótese de recebê-la em ocasião menos imprópria. “…Se for possível, sugeriria que a premiação em relação à minha pessoa fosse postergada para um momento mais apropriado. Se não for possível, peço desde logo sinceras escusas à instituição.”
A ‘medalha do mérito legislativo’ é concedida uma vez por ano a pessoas que “realizaram ou realizam serviço de relevância para a sociedade.” O site da Câmaraesclarece que “pode ser um cientista, um político, um ator, um cantor, um religioso, enfim qualquer pessoa que em certo momento da história do país realizou trabalho que teve repercussão e recebeu a admiração do povo brasileiro.” O nome de Moro escalou a lista por iniciativa da liderança do PPS, um partido cujo líder, deputado Rubens Bueno, tem proximidade geográfica com Moro. Foi eleito pelo Paraná, berço da Lava Jato.
Tecnologia do Blogger.