24 de agosto de 2016

Condenado que sobreviveu a 18 injeções letais tenta evitar nova execução nos EUA

Do UOL, em São Paulo
  • AP
    Romell Broom, que sobreviveu à execução de sua pena capital, em 2009
    Romell Broom, que sobreviveu à execução de sua pena capital, em 2009
Um homem que sobreviveu a 18 injeções letais no dia de sua execução, em setembro de 2009, está recorrendo à Suprema Corte dos Estados Unidos para evitar que sua pena de morte seja novamente efetuada.

Romell Broom, de 60 anos, foi condenado por sequestrar, estuprar e matar Tryna Middleton, de 14 anos, em 1984 na cidade de East Cleveland, em Ohio. Ele ficou anos no corredor da morte até 2009, quando sua pena foi confirmada.

A equipe de execução, no entanto, não conseguiu encontrar uma veia para aplicar as drogas letais no corpo do homem. Depois de 18 tentativas em duas horas, o governador de Ohio na época, Ted Strickland, decretou um prazo de sete dias, e Broom foi levado de volta à cela.

A execução abortada gerou uma nova disputa jurídica entre a defesa do homem e a Procuradoria, encerrada apenas no último mês de março, quando a Suprema Corte de Ohio rejeitou os argumentos de Broom.

Segundo a agência Associated Press, os advogados do condenado alegam à Suprema Corte dos EUA que uma segunda tentativa de execução seria inconstitucional e resultaria em uma punição cruel e incomum.

A aplicação de injeções letais em Ohio já causou controvérsias outras vezes desde que o Estado reestabeleceu a pena de morte, em 1999, depois de alguns condenados agonizarem por alguns minutos antes de morrer.