DAYANE LIMA NUTRICIONISTA

DAYANE LIMA NUTRICIONISTA

1 de novembro de 2016

GOVERNO DO MARANHÃO VEM CAUSANDO PREJUIZO E REVOLTA AOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIO CARLOS BECKMAN EM AÇAILÂNDIA


Açailândia - Alunos da escola estadual Antonio Carlos Beckman em Açailândia, devem ter o ano letivo comprometido devido à reforma interminável da unidade escolar. A obra que era para ser concluída em (120) dias, já ultrapassou mais de (30) dias do prazo estipulado, e ainda estar longe de ser concluída. 

A empresa contratada pelo governo do Maranhão para fazer a reforma e ampliação da unidade estadual Antonio Carlos Beckman, (Bandeirante), é a construtora MGP: Construção e Incorporação Ltda. os recursos da reforma e ampliação são do (BNDES), e vai custar aos cofres públicos o valor de R$ 536.718.82.  

Segundo alguns pais de alunos, o projeto da reforma contava além da ampliação, com a troca de forro e telhado, mas o que se observou no local, foi os funcionários da empreiteira lavando o forro e as telhas com água e sabão para ser reaproveitados. Isso caracteriza, falta de qualidade nos serviços.

O descaso é tão grande por parte do governo estadual, que até mesmo a calçada da escola estar com o trafego interrompido e lotada de entulho oriundo da obra. No local, quando chove, a correnteza arrasta parte do entulho para rua, causando com isso, uma serie de transtornos, inclusive impactos ao meio ambiente.

A demora na conclusão das obras de reforma e ampliação da conhecida escola (Bandeirantes) e a falta de informação adequada vêm causando certa apreensão e revolta tanto pelos estudantes, bem como pelos pais de alunos, que temem ver o ano letivo prejudicado devido à lentidão das obras.


A pergunta que não quer calar; será que um governo que estar tendo dificuldades em concluir uma simples reforma em uma escola de ensino médio de sua responsabilidade, vai conseguir manter mesmo que de forma regular, a recém-criada UEMA-SUL em Imperatriz?