22 de dezembro de 2016

Candidato a presidente da Câmara Municipal de Açailândia é dono de empresa de ‘Jogos de Azar’.


A união dos 10 vereadores (denominado G10) entorno do futuro do legislativo de Açailândia está deixando a população com dúvidas, medo e desconfiança, pois o que se esperava era renovação. O motivo de tal descrédito é a indicação, pelo grupo, de Josibeliano Chagas Farias (apelido Ceará) para presidente da Câmara Municipal de Vereadores. 

O grande questionamento está relacionado a sua vida pregressa que conta com várias pendências financeiras, tais como: protestos em cartório, cheque sem fundo e ainda responde processos de execução fiscal na Justiça Federal. Segundo consta, o escolhido pelo dito G10 é proprietário de uma única empresa (CNPJ Nº 08.540.990/0001-62) que explora o ramo de jogos de azar, apostas, jogos eletrônicos (caça-níquel) e jogos de sinuca e bilhar, uma espécie de “Castor de Andrade Mirim”. 


A palavra de ordem do G10 é (ou era) Renovação Total, mas ao que as suspeitas indicam, o grupo pode estar no entorno de um grande esquema desonesto e incentivador de atividades ilícitas (Corrupção). 

A princípio, a população até elogiou a união e a atitude dos futuros edis. Porém, quando alguns integrantes do denominado G10 começaram a dar com a “língua nos dentes” a máscara caiu, deixando a sociedade atônita ao tomar conhecimento dos acordos imorais que estão provocando um total descrédito no futuro parlamento do município. 

A pergunta que tem pairado na cabeça da população é: Este senhor, com esse reputação, será eleito democraticamente, terá capacidade e moralidade para ser o representante do poder legislativo da cidade? 


A população de Açailândia não aceita mais passar por isso. Pelo visto, o Legislativo de Açailândia está começando muito mal. 
Isto é fato!