DAYANE LIMA NUTRICIONISTA

DAYANE LIMA NUTRICIONISTA

27 de junho de 2017

O deputado estadual Sérgio Vieira destaca audiência com o diretor do Banco do Nordeste


Cumprindo mais uma agenda da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Siderúrgico, o deputado Sérgio Vieira (PEN) destacou, na sessão desta segunda-feira (26), audiência realizada com o diretor do Banco do Nordeste no Brasil, Antônio Rosendo Júnior. Na ocasião, discutiram sobre autorização de empréstimo para empresa que está construindo uma aciaria em Açailândia.


O deputado salientou que “concluímos que essa é uma das formas de combater a crise, pois a empresa está verticalizando a sua produção, passando do gusa para produzir o aço”, avaliou.

Vieira contou que teve a feliz notícia de saber que o processo para o financiamento da aciaria está em sua última etapa, chamada de ‘o setor de laminação’.

“Essa foi uma das conclusões que nós tivemos, necessárias ser feitas por meio da audiência. Nós tivemos a garantia do diretor Antônio Rosendo Júnior de que, nos próximos 30 dias, o processo será concluído e possivelmente com sua aprovação, pois o processo está em conformidade com as regras e com a legislação para que o Banco do Nordeste aporte o dinheiro para esta empresa para que ela termine a construção da sua aciaria, gerando empregos, dividendos, dinheiro e movimentando a economia de Açailândia e região”, explicou o parlamentar.

O parlamentar pontuou que a Frente Parlamentar em Defesa do Setor Siderúrgico está cumprindo as agendas. “Nós não fizemos audiência pública simplesmente por fazer, para fazer barulho. Nós fizemos audiência pública para que dela se derivassem os encaminhamentos, para que a partir dela nós tomássemos algumas ações. Já tomamos essa ação”.

Sérgio Vieira ainda adiantou que a próxima ação será uma viagem a Brasília, com o objetivo de pedir o apoio da bancada federal maranhense, para que eles entrem nessa luta.

O deputado contou da importância de cumprir mais um encaminhamento e atingir os objetivos da audiência pública, que é contribuir para não deixar o setor fechar no Maranhão. “Que esse setor não sofra mais ainda, demitindo mais pessoas, criando um desemprego maior, dando a sensação de abandono do setor”, finalizou.