13 de julho de 2017

Será que o PT vai cumprir o que disse em 2015? PT diz que vai expulsar integrantes do partido condenados na Justiça

Partido divulgou na internet propaganda que vai ao ar na TV à noite.Presidente Dilma Rousseff não tem fala no peça publicitária.


Propaganda do PT divulgada nas redes sociais nesta terça-feira (5) afirma que o partido vai adotar a prática de expulsar integrantes que forem condenados na Justiça.


A propaganda, que tem 10 minutos de duração, vai ao ar na TV na parte da noite. Na peça, há uma fala do presidente da legenda, Rui Falcão, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas não há fala da presidente Dilma Rousseff. À noite, durante a exibição do programa, houve um panelaço de protesto em várias cidades do país.

"O PT é uma instituição com milhões de filiados e simpatizantes em todo o Brasil. Gente como você, que sempre sonhou e lutou por um país mais justo e solidário. Gente que não convive nem é conivente com ilegalidades e quer, igual a você, o fim da impunidade. Por isso, qualquer petista que cometer malfeitos e ilegalidades não continuará nos quadros do partidos"', afirma Falcão no vídeo.

Após a fala de Falcão, aparece o apresentador do programa, que diz: "Você ouviu. Qualquer petista que ao final do processo for julgado culpado será expulso".

O apresentador afirma ainda que a Justiça deve ser igual para todos os partidos. "Mas precisamos ter consciência de que há integrantes de vários partidos sendo acusados e investigados, inclusive de oposição, e a Justiça tem que ser igual para todos, não apenas para quem está no PT", completa.

Lula
O ex-presidente Lula aparece logo nos primeiros minutos do programa e começa a fala citando direitos dos trabalhadores, como "a jornada de trabalho de oito horas, as férias, o décimo terceiro salário, a aposentadoria". Segundo Lula, "nada disso caiu do céu" e foi fruto da luta dos trabalhadores.

Ele critica o projeto de lei que regulamenta a terceirização no país e diz que, se a proposta for aprovada, os direitos trabalhistas vão "andar para trás".

"Não podemos permitir que essa história ande para trás. E é isso que vai acontecer se for aprovado o projeto de lei 4.330, o projeto da terceirização, que passou pela Câmara dos Deputados. Esse projeto faz o Brasil retornar ao que era no começo do século passado, voltar ao tempo em que o trabalhador era cidadão de terceira classe, sem direitos, sem garantias, sem dignidade", afirmou o ex-presidente.

Lula também defende os 12 anos de governo petista no país, os oito de sua gestão  somados com os quatro do primeiro mandato de Dilma, e diz que ainda "há muito o que fazer" no país. Ele afirma que a marca do governo petista é a "conquista de uma vida melhor" para a população.

"Ainda há muito o que fazer, mas a principal marca desses 12 anos do governo do PT foi a conquista de uma vida melhor para os trabalhadores, foi criar 22 milhões de empregos, aumentar o valor real do salário mínimo, foi criar o crédito consignado e ampliar as oportunidades de educação para todos. Quem conquistou tanto não quer e não pode andar para trás", concluiu Lula.

Ajuste fiscal
O programa petista abordou também as medidas de ajuste fiscal propostas pelo governo para equilibrar as contas públicas. O Palácio do Planalto espera ver aprovadas as Medidas Provisórias 664 e 665, que tornam mais rigorosas regras para acesso a benefícios previdenciários. No entanto, as duas MPs têm resistência dentro do Congresso, inclusive na base aliada.
Na propaganda do PT, os apresentadores dizem que o partido defende que o ajuste não tire direitos da classe trabalhadora. 
"No ajuste econômico que o governo está fazendo agora, o PT tem defendido que não se cortem direitos dos trabalhadores e também que as medidas necessárias não afetem os mais pobres, mas sim quem tem mais recursos", afirmam os apresentadores.
Segundo eles, o PT luta pela aprovação de impostos sobre grandes fortunas, grandes heranças e ganhos especulativos.

'Antes do PT'
Durante o programa, há varias comparações com o período de "antes do PT", sem citar especificamente o governo do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, com "depois do PT".
A voz do narrador diz que, antes dos governos petistas, "os brasileiros sofriam com a fome e a miséria" e "o desemprego era altíssimo e o salário mínimo, baixíssimo". Em seguida, diz que o PT fez o maior programa de distribuição de renda do mundo.

Propaganda ‘fantasiosa’
Na noite desta terça, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), divulgou nota na qual disse que a propaganda exibida pelo PT foi a “mais enganosa e fantasiosa” peça publicitária já produzida por um partido no país.

Aécio comentou ainda na nota o fato de a presidente Dilma Rousseff não ter se pronunciado no vídeo e disse que a legenda a “escondeu”. O senador classificou o programa do PT como “teatro absurdo” ao dizer que combate a corrupção.

“O PT promete a expulsão de quem for condenado por corrupção, mas não explica aos brasileiros por que mantém entre seus principais nomes os condenados do mensalão José Dirceu e José Genoíno, entre outros que permanecem com poder de mando sobre o partido e sendo saudados como heróis”, diz o senador na nota.

O presidente do PSDB afirmou ainda que os brasileiros “não vão se deixar enganar novamente” pelo PT após as eleições do ano passado e disse que a propaganda do partido “zomba da inteligência e desrespeita milhões de trabalhadores e de famílias” brasileiros.