4 de setembro de 2017

Pernilongo comum também pode transmitir o vírus da ZIKA.

O uso contínuo de repelente, contra as picadas do pernilongo culex e Aedes, é necessário para proteção contra as doenças transmitidas por eles. Além do saneamento básico a população precisa tomar todas as precauções.

Uso do repelente ainda é a melhor solução para proteção contra o Aedes e pernilongo Culex. Assim como os seres humanos os microrganismos também lutam pela sobrevivência de suas respectivas espécies. Os mosquitos procuram se adaptar das maneiras mais incríveis e possíveis.


Apesar de este cenário, seco e frio em muitas regiões brasileiras, a população não pode descuidar do quintal de casa, do local de trabalho, praças, terrenos baldios e todo e qualquer lugar propício para o desenvolvimento do mosquito. Todos devemos ajudar a diminuir a proliferação do Aedes aegypti e agora temos que ficar de olho no pernilongo comum.  No inverno, as ações de combate por parte do Ministério da Saúde e dos governos estaduais e municipais continuam. O uso de repelente, com maior tempo de proteção, Non repelente ainda é o mais indicado. Com princípio ativo do IR3535 com 10 horas de proteção comprovado pela ANVISA, a SR Cosmet & Co colocou à disposição do mercado brasileiro um produto não volátil e com toda garantia de proteção contra todos os mosquitos transmissores de doenças. O NON Repelente.

Durante as estações do outono e o inverno, não é comum se falar em Aedes aegypti e muito menos das alarmantes doenças da Leishmaniose, a volta da Febre Amarela e Mayaro. No entanto, as doenças que eles transmitem são uma ameaça o ano inteiro e uma trégua na prevenção pode gerar uma epidemia quando voltarem as chuvas e a temperatura subir.

O mosquito Aedes Aegypti pode transmitir quatro doenças: Zika, Chikungunya, Mayaro e Febre amarela. As quatro doenças virais, a depender da gravidade, podem matar quem é infectado. O Ministério da Saúde faz campanhas constantes no sentido de alertar as pessoas de que cada um precisa fazer o seu papel na luta contra o vetor.
NON copiao adultoNON copião InfantilAlerta para todo território nacional “O mosquito se adaptou ao ambiente urbano. Portanto durante o ano inteiro, independente da estação climática, continuamos dando condições para que ele se prolifere facilmente. A fêmea deposita os ovos e eles podem ficar até mais de um ano viáveis para depois eclodirem em contato com a água.
Eles se tornam larvas e depois insetos”, comenta a diretora comercial do NON repelente, Gisely Farias.  
Qual é a melhor forma de se proteger do Aedes aegypti?
Todas as medidas que a população já conhece para evitar a proliferação dos mosquitos são fundamentais e importantíssimas. Porém vale lembrar que em um país continental e tropical como o Brasil, com chuvas a qualquer momento e calor, essa tarefa de eliminação é quase que impossível. Portanto, evitar as picadas ainda é a melhor maneira e a mais eficiente para garantir proteção usando um repelente de qualidade. Além das proteções com telas nas janelas, mosquiteiros nas camas e principalmente nos berços dos bebês, o uso de repelentes de mosquitos transmissores, ainda é a melhor solução. Vale reforçar que os repelentes indicados pela Organização Mundial de Saúde são o IR3535, Icaridina e DEET.
Além de aderirmos uma vigilância continuada, observamos que os repelentes continuam sendo nossos grandes aliados. Eles devem e podem ser usados mesmo quando o mosquito não aparece tão facilmente e de preferência a população, principalmente as gestantes e crianças acima de 6 meses, usar um repelente que não apresente toxicidade e que dê maior proteção em horas na pele. Exemplo: o NON repelente, não é tóxico, não é volátil e mantém 10 horas de proteção comprovada pela ANVISA.
--- ---