6 de novembro de 2017

DESVENDANDO MEDICAMENTOS - SAIBA TUDO SOBRE ELES

Por trás de uma indústria que faturou 49 bilhões no ano passado existe uma certeza: cedo ou tarde todo mundo acaba precisando do produto. Trata-se da indústria de medicamentos, que viu um aumento de 42% nas vendas de remédios em farmácias nos últimos quatro anos, segundo levantamento da Interfarma/QuintilesIMS. Embora seja um item comum na prateleira de quase todo mundo, é importante se atentar ao fato de que remédio é coisa séria. E deve ser tratado como tal. Por isso é importante conhecer mais sobre os diversos tipos de remédios, como tomar, onde guardar, entre outras coisas. E quem responde essas dúvidas é a farmacêutica da Rede Compre Certo, Mirna Alves Silva Pires.
Para começar, a principal dúvida: o genérico tem realmente a mesma eficácia do remédio de marca? "É importante salientar que não existe diferença entre um e outro. O medicamento genérico tem a mesma eficácia terapêutica do medicamento de referência. Ele é submetido a testes de bioequivalência e biodisponibilidade justamente para verificar essa questão", explica a especialista. O que acontece é que os genéricos geralmente são produzidos após a quebra da patente ou de outros direitos de exclusividade. Após aprovação da comercialização – que é feita pela ANVISA – o medicamento fica à disposição do consumidor, geralmente a um custo menor.

Já o remédio similar, como o nome indica, tem algumas diferenças. Entre as diferenças entre um e outro estão as características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículo (substâncias que completam a massa ou volume do medicamento). "Desde 2003, os similares precisam apresentar testes de biodisponibilidade e equivalência farmacêutica para comprovar que o medicamento possui o mesmo comportamento no organismo e as mesmas características de qualidade do de referência", explica Pires.

Medicamentos de referência, por sua vez, são remédios que possuem eficácia terapêutica, segurança e qualidade comprovadas cientificamente. Eles só são lançados no mercado após anos de pesquisa e desenvolvimento para comprovar a eficácia e segurança no tratamento das doenças indicadas.

E quanto aos homeopáticos e fitoterápicos? Dá para confiar? A filosofia da homeopatia é utilizar, em pequenas quantidades, substâncias que causam sintomas parecidos com os que paciente apresenta para que o corpo potencialize a capacidade curativa e seja capaz de combater a doença. Já a fitoterapia utiliza plantas para tratar os problemas. "Mas vale lembrar que os homeopatas não descartam o uso de medicamentos alopáticos. Pelo contrário, eles encorajam que o uso da homeopatia seja complementar ao tratamento tradicional", explica a farmacêutica.

Quanto à forma de administração, os remédios que se apresentam na forma líquida, como xaropes, gotas, suspensão, comprimidos efervescentes ou em pó possuem efeito mais rápido no organismo. Já os comprimidos não podem ser partidos e devem ser tomados com um copo de água. "Quando são partidos podem perder o revestimento protetor, comprometendo sua ação terapêutica, principalmente, se os princípios ativos forem sensíveis ao ácido do estômago", explica. As cápsulas não devem ser abertas, com exceção daquelas que contém indicação para isso. Quanto ao armazenamento, o ideal é manter os remédios em ambiente seco, longe do calor, umidade, sem exposição solar, e guardados na própria embalagem. E, claro, deixá-los sempre longe do alcance das crianças e animais.

Sobre a Rede Compre Certo

A Compre Certo é uma rede de farmácias que tem mais de 150 unidades em seis estados brasileiros. Sua principal atuação é em Minas Gerais. Criada em 2010, possui um amplo e personalizado mix de produtos, além de marca própria e serviços para a população, como a Blitz de Saúde e o Saúde Certa - Consultório Farmacêutico, com 25 serviços de saúde a preços acessíveis, como avaliação de problemas de sono e depressão, risco cardiovascular, entre outros.
--- ---