Autor da emenda que desfigurou o pacote anticorrupção quer ser senador pelo Maranhão. O que você eleitor acha dessa aberração?

Alguém lembra do pacote anticorrupção elaborado pelo ministério publico, para punir políticos corruptos? Pois bem, na época, o então líder do (PDT) na Câmara, o Deputado Weverton Rocha, foi o autor da emenda que desfigurou o pacote anticorrupção . 

E sabe por que Weverton Rocha propôs a emenda? Apenas para barrar a punição aos corruptos, enfraquecer a operação lava jato, e fortalecer a organização criminosa petista, que é liderada pelo presidiário Lula, preso por corrupção. Essa organização, é defendida tanto por Rocha, bem como pelo governo comunista Flávio Dino. 

Veja as propostas retiradas pelos deputados: 

- Acordos de leniência
Os deputados rejeitaram a proposta que previa que os acordos de leniência (espécie de delação premiada em que empresas reconhecem crimes em troca de redução de punição) fossem celebrados pelo Ministério Público. 

- Enriquecimento ilícito de funcionários públicos
Outro trecho retirado tornava crime o enriquecimento ilícito de funcionários públicos e previa o confisco dos bens relacionados ao crime. 

- 'Reportante do bem'
Um dos itens mais caros ao relator que ficaram de fora previa a criação da figura do "reportante do bem" para incentivar o cidadão a denunciar crimes de corrupção em qualquer órgão, público ou não. Como estímulo, o texto dele previa o pagamento de recompensa em dinheiro para quem fizesse isso. 

- Prescrição de penas
Também foram derrubadas as mudanças para dificultar a ocorrência da prescrição de penas, que é quando o processo não pode seguir adiante porque a Justiça não conseguiu conclui-lo em tempo hábil. 

- 'Confisco alargado'
Com o objetivo de recuperar o lucro do crime, o texto previa o chamado "confisco alargado", em casos como o de crime organizado e corrupção para que o criminoso não tivesse mais acesso ao produto do crime para que não continuasse a delinquir e também para que não usufruísse do produto do crime. Esta proposta, porém, foi rejeitada. 

- Acordos entre defesa e acusação
Outro ponto que não passou foi o que permitia a realização de acordos entre defesa e acusação no caso de crimes menos graves, com uma definição de pena a ser homologada pela Justiça. O objetivo era tentar simplificar os processos. 

- Responsabilização de partidos
O plenário rejeitou pontos do relatório que previam a responsabilização dos partidos políticos e a suspensão do registro da legenda por crime grave. 

Tecnologia do Blogger.