7 de fevereiro de 2011

SAQUEADORES DE CIDADES


Desde dezembro de 2007, operações da Polícia Federal no Maranhão, como ‘Rapina’, ‘Orthoptera’ e a recente ‘Astiages’, levaram para a cadeia cerca de 165 pessoas – entre prefeitos, ex-prefeitos, secretários municipais, empresários, contabilistas etc

Desde o dia 13 de dezembro de 2007, quando foi desencadeada a operação “Rapina 1”, contra o desvio de recursos públicos federais no Maranhão, a Polícia Federal (PF) já prendeu treze prefeitos e cinco ex-gestores municipais. Nesse período de pouco mais de três anos, aproximadamente 165 pessoas foram detidas pela PF – entre políticos, secretários municipais, empresários, contabilistas etc.
O número de prefeitos presos – boa parte deles acusados de sangrar os recursos da União destinados à Educação e à Saúde – subirá a catorze assim que o prefeito de Barra do Corda, Manoel Mariano de Sousa, o “Nenzim” (PV) se apresentar ou for capturado pela PF.
“Nenzim” é considerado foragido desde quinta-feira (3), quando a PF desencadeou a operação “Astiages” (“saqueador de cidades”, em babilônio), com o objetivo de prender temporariamente (cinco dias) doze pessoas por desvio e apropriação de recursos públicos calculados em mais de R$ 50 milhões, lavagem de dinheiro, crimes contra a ordem tributária e formação de quadrilha.
A mulher de “Nenzim”, Francisca Teles de Sousa, a “Dona Santinha”, e o “lobista” João Batista Magalhães também estavam foragidos até a tarde de ontem. João Batista seria ex-assessor do vice-governador do Maranhão, Washington Luiz Oliveira (PT).
Um filho, uma filha, um genro e uma nora do prefeito estão entre os presos na “Astiages”.
Veja a seguir o “listão” dos prefeitos e ex-prefeitos presos pela Polícia Federal desde dezembro de 2007, nas seis operações “Rapina”, na “Orthoptera” e na recente “Astiages”.
--- ---