Buritirana em estado de calamidade

A nova administração deparou-se com vários problemas administrativos.

Predio da prefeitura abandonado

O município de Buritirana na região sul maranhense, localizada a aproximadamente 700 quilômetros de São Luis, encontra-se em estado de calamidade. A nova administração deparou-se com o fornecimento de energia elétrica cortado, salários do funcionalismo em atraso há três meses, prédios públicos depredados e uma frota de veículos sucateada.

Veiculos virando sucata por falta de manutenção
Segundo o novo gestor Vagtonio Brandão (PR), não houve o processo de transição o que complicou ainda mais a situação, uma vez que nada pode ser feito no sentido de antecipar um mapa de ações prioritárias de combate ao atual e crítico momento em que se encontra o município.

“Estamos trabalhando nesses primeiros dias com bastante dificuldade, o ex-gestor não atendeu a determinação resguardada em Lei para que houvesse a transição e a cada dia nos deparamos com uma nova e lastimável situação. São dificuldades em todos os setores”, ressaltou Vagtonio.

Visitamos as dependências da prefeitura e encontramos graves problemas estruturais o que impede o atendimento ao público dentro do prédio.

A Secretária de Educação está sediando o gabinete provisório do prefeito, mas o prédio residencial é pequeno e está abarrotado de livros enviados pelo MEC para o início do ano letivo.

Carros que integram a frota do município estão abandonados em terrenos baldios e cobertos pelo mato. Há problemas também no fornecimento d’água da sede e dos povoados e a situação das ruas é de buraqueira total.

Segundo o novo administrador, as primeiras ações estão sendo tomados para organizar uma “força tarefa” entre secretários, assessores e demais funcionários para que sejam identificadas e priorizadas as ações emergências.

"Saúde, educação e infraestrutura, estas são nossas universos prioritários. Agora é eleger as primeiras ações. O estado é de calamidade”, afirmou o prefeito. 

(Assessoria de Comunicação)
Tecnologia do Blogger.