Energia solar aumenta em 30% a produção agrícola em comunidades de Almeirim

Quatro agricultores de Almeirim, no Baixo Amazonas, aumentaram em cerca de 30% a produtividade de suas atividades, entre elas a produção de queijo de búfala, extrativismo de Castanha-do-Pará e a pesca artesanal. A melhoria só foi possível depois da instalação de um projeto do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), em parceria com a Fundação Jari e o Banco da Amazônia, que no fim do ano passado levou energia solar às propriedades. Até então, a única alternativa para esses produtores era o uso gerador,com custos próximos ao R$ 3 mil por ano e oferta de aénas 3 horas diárias de energia. 

Agora, as famílias dispõem de eletricidade 24h, a custo praticamente zero, por meio de sistema fotovoltaico, o qual se constitui de kits de placas solares, inversor, bateria de placa estacionária e controlador de carga. As placas solares ficam em cima de telhados ou outras estruturas e absorvem luz solar, a qual é transformada em energia elétrica por um inversor solar. A energia sai do inversor para um quadro de luz e é distribuída para pontos na propriedade. A energia que não é aproveitada imediatamente se mantém estocada para disponibilidade de uso quando não houver sol.

“É uma energia limpa, constante, de suporte baratíssimo e sem a poluição sonora provocada pelos geradores. Com energia elétrica, os produtores podem conservar o pescado em resfriamento, aumentar a jornada na lida com os sistemas produtivos, estocar o queijo e aperfeiçoar as tecnologias. É uma revolução no conforto e nos sistemas produtivos”, resume o chefe do escritório local da Emater em Almeirim, Elinaldo Silva.

A instalação foi financiada pela linha Eco do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Os agricultores Marlison Moreira, da comunidade Lago Branco, e Raimundo Bezerra, da comunidade Nova Arumanduba, receberam mais de R$ 15 mil cada, já os agricultores Otoniel Sousa, da comunidade Barreiras, e Jardson Brazão, da comunidade Recreio do Rio Parú, receberam quase R$ 30 mil cada. Além de pecuária leiteira, castanha e pesca, os agricultores trabalham com extrativismo de açaí manejado, extrativismo de camarão e plantio e beneficiamento de mandioca.

Por Aline Miranda

2 comentários:

  1. Preciso urgente de uma bateria estacionária, obrigada pelas informações!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica dificil de lhe responder sem ter um contato. Pois voce comentou como anonimo.

      Excluir

SEJA BEM VINDO, PARTICIPEM E COMENTE A VONTADE

Tecnologia do Blogger.